Psicologia

A Psicologia é a ciência que estuda o comportamento, os processos mentais do ser humano e as suas interações com o ambiente físico e social, ou seja, em todos os domínios em que entram os comportamentos observáveis (correr, andar, falar, etc.) como os não-observáveis (pensar, emocionar-se, sentir, entre outros). A palavra deriva dos termos gregos Psyché (alma ou atividade mental) e Logia (razão, conhecimento, estudo).

 

Consulta de Psicologia:

Psicologia com Crianças e Adolescentes, Psicologia com Adultos, Psicologia com Seniores

A consulta de psicologia tem como intuito ajudar a lidar e a resolver as dificuldades e problemas para os quais não se possui os recursos psicológicos e emocionais essenciais para tal. O processo que se estabelece é colaborativo e baseado numa aliança terapêutica. O psicólogo em conjunto com a pessoa consultada explora os motivos do pedido de consulta, identifica as dificuldades, estabelece os objetivos e metodologias terapêuticos, que vai ajustando continuamente. No fundo, o acompanhamento psicológico visa restabelecer o equilíbrio e promover qualidade de vida a pessoa que procura apoio. Esta consulta baseia-se no conhecimento científico e nos métodos e técnicas psicoterapêuticas.

As perturbações de humor, as dificuldades relacionais, as perturbações de ansiedade e fobias, as perturbações do comportamento, as perturbações do comportamento alimentar, as perturbações do comportamento sexual, as perturbações psicossomáticas, luto e stress pós-traumático, adaptação à doença crónica, entre outros, são algumas das situações que se adequam a este tipo de consulta.

 

Avaliação Psicológica:

Avaliação Psicológica a Crianças e Adolescentes; Avaliação Psicológica a Adultos e Séniores; Avaliação Neuropsicológica

A avaliação psicológica é descrita através de um relatório de observação e avaliação psicológica, visando realizar um diagnóstico diferencial e respetivo psicodiagnóstico, obter dados para a intervenção e, caso se justifique, encaminhar para outros profissionais de saúde. Deve ser sempre precedida de uma entrevista clínica / questionário de anamnese com o objetivo de descrever e avaliar os aspectos da história clínica, pessoal, familiar e relacional da pessoa, num processo que visa obter dados para a avaliação e delinear o plano de intervenção. É baseada numa bateria de testes psicométricos que determinam, de forma qualitativa e quantitativa, as várias áreas de funcionamento cognitivo e estruturas da personalidade.

Uma avaliação psicológica é pertinente nas seguintes situações:

  • Estudo da personalidade e do funcionamento psicológico;
  • Presença de psicopatologia;
  • Avaliação das capacidades cognitivas;
  • Casos de perturbação cognitiva e/ou neuropsicológica;
  • Existência de deterioração neurocognitiva;
  • Pedido antecipado de reforma para junta-médica;
  • Despiste de dificuldades de aprendizagem;
  • Orientação vocacional e profissional.

Recomendações:

  • É essencial vir com o devido repouso e em boas condições físicas para um melhor desempenho nos instrumentos de avaliação;
  • As crianças e os adolescentes devem ser acompanhados dos pais e/ou responsáveis legais, no momento da entrevista inicial de avaliação;
  • O tempo de realização de cada sessão de avaliação psicológica poderá variar consoante as exigências da situação e produtividade do examinando;
  • No caso de carecer do uso de óculos é essencial ser detentor dos mesmos no momento de avaliação;
  • Se for detentor de anteriores relatórios de avaliação é útil fazer-se acompanhar dos mesmos e entregá-los ao avaliador;
  • Deve desligar o telemóvel durante a avaliação;
  • Informe o psicólogo de todas as particularidades que lhe pareçam importantes.